quinta-feira, 14 de Abril de 2011

Cidadania

A cidadania não é um modo de ser e estar espontâneo em sociedade. Exige condições para de forma consciente ser assumida e exercida na teia dos laços que prendem os seres humanos individualmente e no conjunto.
O conceito remete originariamente para os direitos e deveres de convivência na sociedade em que o indivíduo se integra. Convivência e integração são assim os conceitos fundamentais de cidadania. Não basta viver em sociedade para se ser cidadão. É preciso que, como condição, não ser indiferente aos protocolos dessa sociedade.
Estar integrado não significa estar conforme com todos eles. Significa poder estar ou não conforme as regras que eles estruturam, assumi-las, entendê-las, problematizá-las, discuti-las. Significa por isso saber e poder optar. Significa participar e decidir em conformidade ou não. Significa ter efectuado a escalada para a construção do cidadão na relação inter-activa com aqueles com quem vive em comunidade.

Por Arménia Ferreira

Papel da Sociedade Civil na construção da Democracia.

O papel da sociedade civil na construção de uma democracia é resultante da união de todos.
A ligação entre a sociedade civil e a democracia tem as suas raízes nas primeiras publicações liberais. Todavia, eles desenvolveram-se de modo significativo no século XX, quando se valorizou mais o papel da sociedade civil, numa ordem democrática, como vital.
Argumenta-se que o elemento político de muitas organizações da sociedade civil facilita uma cidadania mais consciente e mais bem informada, que faz melhores escolhas eleitorais, participa na política e assegura, como resultado, que o governo seja mais responsável.
As organizações não políticas na sociedade civil são vitais para a democracia, isto porque elas constroem capital social, confiança e valores compartilhados, os quais são transferidos para a esfera política e ajudam a manter a sociedade junta, facilitando uma compreensão da sociedade e dos interesses dentro dela.
Há quem, no entanto, questione como a sociedade civil democrática realmente é. Tem actuado ainda com uma certa apatia e não transmite os valores que deveria transmitir a todos os cidadãos. Nota-se uma acomodação na sua generalidade pela forma como está a nossa democracia e uma grande falta de empenho tanto da comunidade política como civil. Temos que mudar as nossas mentalidades e meter mãos à obra e voltar, como há uns anos atrás, a lutar com unhas e dentes para termos uma democracia de que nos possamos orgulhar.
Por Arménia Ferreira

Papel da Sociedade Civil na construção de uma sociedade democrática

O conceito de sociedade civil refere-se à esfera de actuações colectivas e voluntárias em prol de interesses, propósitos e valores próprios.
A sociedade civil, da forma como hoje está organizada, tem um papel decisivo e fulcral no desenvolvimento de um estado democrático, assumindo, na minha opinião, nas suas variadas formas institucionais um triplo papel:
• Suprime as lacunas na actuação das entidades e organizações estatais.

• Papel fiscalizador e moderador na actuação destas.

• Reivindica e influencia objectivamente o rumo político e social de um Estado.

A sociedade civil abarca uma vasta diversidade de espaços, pessoas e formas institucionais que pelo seu grau de importância, autonomia e influência determina em muitas circunstâncias mudanças importantes na mentalidade da sociedade.
Em Portugal, o número de organizações cívicas de cariz voluntário, quer a nível da cultura, do recreio, do desporto, etc., têm crescido muito após o 25 de Abril de 1974, sobretudo em termos qualitativos. Estas organizações são espaços de concretização de valores importantes para o desenvolvimento de uma democracia mais justa e abrangente. A solidariedade, o trabalho voluntário, a independência, a autonomia são práticas que valorizam e acrescentam valor a uma democracia que se quer em permanente evolução.
Na minha opinião, a sociedade civil tem ainda um papel fundamental e decisivo nos dias de hoje que é ser contra-poder! Organizada, consegue ser o factor determinante no equilíbrio de poderes e a ponta-de-lança na luta contra a corrupção, o maior travão ao desenvolvimento das sociedades!

Por André Miranda

segunda-feira, 11 de Abril de 2011

Direitos Humanos Nas Escolas Violados


Primeiro massacre de estudantes aconteceu em 1764 nos Estados Unidos


Ataques a escolas e universidades são mais comuns nos EUA e Europa

E o último foi no dia 7/Abril/2011 no Brasil, em Realengo na zona oeste do Rio de Janeiro

Cronologia de atentados em escolas nos últimos dez anos
Os mais graves massacres em escolas na última década (07.04.2011 - 18:11 Por PÚBLICO)

Os massacres em estabelecimentos escolares aconteceram, em todo o mundo, nos últimos dez anos. A maioria dos assassinos suicidou-se depois do ataque.

2010 - Amy Bishop, uma professora americana, abriu fogo numa Universidade do Alabama, depois de ter sabido que não iria obter a titularidade naquela instituição. Três pessoas morreram.

2009 - Tim Kretschmer, um jovem de 17 anos, matou 16 pessoas numa escola secundária em Winnenden, na Alemanha. O rapaz morreu durante uma troca de tiros com as forças de segurança.
2008 - Matti Juhani Saari, um jovem de 22 anos, matou nove pessoas num liceu da localidade de Kauhajoki, na Finlândia. Saari disparou sobre si próprio depois do ataque, tendo acabado por morrer no hospital.
2007 - Seung-hui Cho, um estudante sul-coreano de 23 anos, disparou sobre estudantes e funcionários da universidade Virgínia Tech, nos EUA, vitimando 32 pessoas. Cho suicidou-se quando a polícia chegou ao local.
2006 - Charles Carl Roberts IV, 32 anos, entrou numa escola da comunidade amish da Pensilvânia e matou cinco crianças. O homem suicidou-se depois do ataque.
2005 - Jeffrey Wise, um jovem de 16 anos, matou sete pessoas no liceu de Red Lake Senior, no Minnesota. Nessa manhã, Wise tinha morto o avô e a namorada do avô em sua casa.
2004 - Mais de mil pessoas, grande parte crianças, foram feitas reféns numa escola em Beslan, na Ossétia do Norte, Rússia, por um comando tchetcheno. As forças russas tomaram a escola de assalto e morreram pelo menos 330 pessoas.
2004 - Oito adolescentes foram mortos no dormitório de um liceu em Ruzhou, na província de Henan, na China, por um vizinho insatisfeito.
2003 - Anatcha Boonkwan, uma estudante de 17 anos, abriu fogo numa escola na Tailândia matando dois colegas. A jovem terá tido uma discussão com uma das vítimas.

2002 - 16 pessoas foram mortas numa escola de Erfurt, na Alemanha, por um jovem de 19 anos que se suicidou em seguida.
2001 - Um homem de 37 anos entrou numa escola em Osaka, Japão, e apunhalou oito crianças com idades compreendidas entre os seis e os oito anos.
Por: Arménia Ferreira

quinta-feira, 7 de Abril de 2011

Relatos de abusos de direitos humanos na Costa do Marfim preocupam ONU

A Organização das Nações Unidas (ONU) anunciou nesta sexta-feira (1º) ter recebido informações de que os dois grupos políticos que disputam o poder na Costa do Marfim são acusados de sérias violações de direitos humanos. Os confrontos têm se intensificado no país.
Tropas leais ao opositor Alassane Ouattara – reconhecido internacionalmente como o vencedor do pleito presidencial de Novembro passado – realizam ataques na principal cidade Marfinense, Abidjan, em áreas ainda controladas pelo rival Laurent Gbagbo, que se recusa a deixar a presidência.
Intensos confrontos têm sido registrados nos arredores da residência presidencial, onde testemunhas disseram ter visto uma nuvem de fumaça, e em um quartel militar.
Simpatizantes de Ouattara dizem ter tomado, o controle da televisão estatal, que saiu do ar no fim da noite de ontem (31). Já aliados de Gbagbo afirmam que, mesmo com a intensificação da violência em Abidjan, ele ainda está na cidade.
A ONU, que ajudou a proteger Ouattara no período pós-eleitoral, disse que há relatos de que as tropas leais a ele cometeram crimes como sequestros, maus-tratos de civis, prisões arbitrárias, saques e extorsões durante avanço rumo a Abidjan.
Rupert Colville, porta-voz do Alto Comissariado de Direitos Humanos da ONU, pediu que Ouattara mantenha, o controle sobre os actos praticados por seus simpatizantes. O órgão ameaçou os responsáveis pelos crimes com acções “sob a lei internacional”.

Notícia de 01/04/2011
                                                                                                                Por: Marisa Silva

terça-feira, 5 de Abril de 2011

DIREITOS HUMANOS

O Cilindro de Ciro
(Está em exposição No British Museum)
.
O Cilindro de Ciro é um dos documentos mais antigos referente à declaração dos direitos humanos, atribuindo-se a sua origem ao  rei persa  CiroII, depois de ter conquistado a Babilônia em 539 aC. Foi descoberto em 1879 e traduzido pela ONU em 1971 em todos os idiomas oficiais. 

O Cilindro de Ciro apresentava características inovadoras, especialmente em relação à religião. Nele era declarada a liberdade de religião e a abolição da escravatura. Tem sido valorizado positivamente pelo seu sentido humanista e inclusive foi descrito como a primeira declaração de direitos humanos.


Por: Arménia Ferreira

segunda-feira, 4 de Abril de 2011

DIREITOS DO HOMEM


Ficheiro:Droits de l'Homme - JPG.jpg
Direitos do Homem
Pintura mural em Saint-Josse-ten-Noode (Bélgica). O texto resume os artigos 18 e 19 da Declaração Universal dos Direitos Humanos.

Artº 18º
Toda a pessoa tem direito à liberdade de pensamento, de consciência e de religião; este direito implica a liberdade de mudar de religião ou convicção, assim como a liberdade de manifestar a religião ou convicção, sozinho ou em comum, tanto em público como em privado, pelo ensino, pela prática, pelo culto e pelos ritos.

Artº 19º
Todo o indivíduo tem direito à liberdade de opinião e de expressão, o que implica o direito de não ser inquietado
pelas suas opiniões e o de procurar, receber e difundir, sem consideração de fronteiras, informações e ideias por qualquer meio de expressão.
Por: Arménia Ferreira

Zeca Afonso - O Que Faz Falta!!!

Quando a corja topa da janela
O que faz falta
Quando o pão que comes sabe a merda
O que faz falta
O que faz falta é avisar a malta
O que faz falta
O que faz falta é avisar a malta
O que faz falta

Quando nunca a noite foi dormida
O que faz falta
Quando a raiva nunca foi vencida
O que faz falta
O que faz falta é animar a malta
O que faz falta
O que faz falta é acordar a malta
O que faz falta

Quando nunca a infância teve infância
O que faz falta
Quando sabes que vai haver dança
O que faz falta
O que faz falta é animar a malta
O que faz falta
O que faz falta é empurrar a malta
O que faz falta

Quando um cão te morde uma canela
O que faz falta
Quando a esquina há sempre uma cabeça
O que faz falta
O que faz falta é animar a malta
O que faz falta
O que faz falta é empurrar a malta
O que faz falta

Quando um homem dorme na valeta
O que faz falta
Quando dizem que isto é tudo treta
O que faz falta
O que faz falta é agitar a malta
O que faz falta
O que faz falta é libertar a malta
O que faz falta

Se o patrão não vai com duas loas
O que faz falta
Se o fascista conspira na sombra
O que faz falta
O que faz falta é avisar a malta
O que faz falta
O que faz falta dar poder à malta
O que faz falta
Por: Arménia Ferreira

Amnistia Internacional

Amnistia Internacional - Vida de Cão
Por: Arménia Ferreira

Direitos Humanos no Mundo

sábado, 2 de Abril de 2011

Fundação da DECO

Desde a fundação da DECO em Fevereiro de 1974, Portugal mudou profundamente. Além das óbvias mudanças na esfera política, as vertentes social e económica conheceram igualmente revoluções marcantes. O país despertou para os direitos dos cidadãos enquanto consumidores, uma revolução de mentalidades para a qual a DECO se orgulha de ter contribuído decisivamente.
Entre informação prestada ao consumidor, tomadas de posição sobre diversas polémicas na sociedade portuguesa, apoio jurídico aos associados, projectos educativos para as escolas, representação perante os poderes públicos, a DECO tem-se desdobrado em diversas frentes. Construiu uma sólida credibilidade junto da generalidade dos portugueses e, muito particularmente, dos órgãos de comunicação social.



Por: Cândida Castro

Portagens nas SCUT: DECO recebeu 188 reclamações

Desde a introdução de portagens nas antigas auto-estradas sem custos para o utilizador (SCUT), em 15 de Outubro último, a DECO – Associação Portuguesa para a Defesa do Consumidor – já recebeu 188 reclamações e pedidos de informação. Desses, 55 são relativos a Janeiro e Fevereiro de 2011.Uma das situações mais relatadas prende-se com a atribuição de taxas mais elevadas a automóveis com identificadores electrónicos a circular em cima de reboque. “Esta situação não está correcta”, segundo a DECO. Antes de serem colocadas portagens virtuais nas SCUT, os condutores dos reboques faziam o pagamento manual, sem terem de passar pelos corredores da Via Verde. “O problema surge pela falta da modalidade de pagamento manual”.À DECO chegaram também pedidos de ajuda de proprietários de carros novos à espera do Documento Único Automóvel e que por isso viram expirados os seus pedidos de isenção e descontos. Os documentos do automóvel, que a lei determina com comprovativos do concelho de residência, deveriam ter sido entregues no prazo de 60 dias. A DECO já reclamou uma alteração de lei: “Se os documentos provisórios são válidos perante as forças policiais e outros efeitos, não se percebe a recusa pela Via Verde”.Dado que a Via Verde “faz uma leitura cega da lei”, o Governo deveria alterar a portaria, “pois o utente não tem de ser responsabilizado pelos atrasos na emissão do DUA”.“A lei é omissa neste aspecto” e uma alternativa seria a empresa de rent-a-car pagar todas as portagens e cobrar depois a cada cliente o valor que corresponde ao seu período de aluguer. Há ainda reclamações pela ausência de informação discriminada – locais, datas, horas de passagem e valor cobrado – nos recibos emitidos nos postos Payshop. Por “violar o direito à informação”, é outra das questões objecto de pedido de alteração legislativa. A DECO incentiva os utentes das ex-SCUT a reclamar caso tenham problemas semelhantes (ver contactos).Perante estas reclamações, a DECO enviou no início do ano uma carta ao ministério das Obras Públicas, Transportes e Comunicações, ainda sem resposta. Na carta, recomenda que seja clarificada a necessidade de os beneficiários de isenções e descontos terem de comprovar periodicamente que reúnem essas condições. É o direito à informação que está em causa.


Por: Cândida Castro

SEM COMENTÁRIOS


Pela genialidade de Mário Viegas!!!




Por André Miranda

sexta-feira, 1 de Abril de 2011

Promessas Políticas


SIMPLESMENTE GENIAL...!!!!!!!












Quem escreveu isto é um génio



ANTES DA POSSE


 

O nosso partido cumpre o que promete.

Só os tolos podem crer que

não lutaremos contra a corrupção.

Porque, se há algo certo para nós, é que

a honestidade e a transparência são fundamentais.

para alcançar os nossos ideais

Mostraremos que é uma grande estupidez crer que

as máfias continuarão no governo, como sempre.

Asseguramos sem dúvida que

a justiça social será o alvo da nossa acção.

Apesar disso, há idiotas que imaginam que

se possa governar com as manchas da velha política.

Quando assumirmos o poder, faremos tudo para que

se termine com os marajás e as negociatas.

Não permitiremos de nenhum modo que

as nossas crianças morram de fome.

Cumpriremos os nossos propósitos mesmo que

os recursos económicos do país se esgotem.

Exerceremos o poder até que

Compreendam que

Somos a nova política.

.

DEPOIS DA POSSE

Basta ler o mesmo texto acima, DE BAIXO PARA CIMA





Por: Arménia Ferreira


A triste Realidade

Aqui vai uma notícia de última hora.


Governo contrata indiano que está há 70 anos sem comer nem beber para ensinar desempregados a alimentarem-se da luz solar. http://www.cienciahoje.pt/index.php?oid=42606&op=all Bora aprender depressa!!!

Aos 80 anos, Prahlad Jani - ou Mataji, como é conhecido - sobreviveu os últimos 70 anos sem comer nem beber, praticando um tipo especial de ioga que, segundo o octogenário, utiliza o Sol como alimento.

Soubemos que o Ministério do Trabalho já contratou este mestre da meditação para dar palestras a desempregados e fala-se também em palestras para funcionários públicos.

Fonte do gabinete da ministra Helena André explicou: "Todos sabem o momento de crise que atravessamos. Não há perspectivas de melhoria e temos que preparar as pessoas para sobreviverem com muito pouco."

Portugal é um país com muitos dias de Sol por ano e se este homem conseguir ensinar os nossos desempregados a sobreviverem só com a luz solar é a solução para o nosso problema.

Dentro de meses esperamos já deixar de pagar subsídios de desemprego, vamos apenas distribuir espelhos para que os desempregados possam apanhar o dobro da luz solar e encherem a barriguinha.

O Governo de Sócrates, sempre na senda das tecnologias renováveis e não poluentes, encontrou mais uma solução para a crise!

Será que se realiza a fotossíntese?
Por: Arménia Ferreira